22/11/2020

And I draw a line to your heart today #02

Opa, saiu nova fornada de desenhos feios. YAY! Pior que é, sim, motivo para celebrar, pois minha vida teve tanta reviravolta em plena pandemia, que acabei desenhando nada nestes últimos meses. Daí, por causa desse ~detalhe bobo~, nem as habituais marmotas estavam saindo, quando sentei para desenhar de novo; o que me pôs num estado de pânico e melancolia. Poxa, era como se eu tivesse abandonado a estaca 0.5, de volta à estaca -50. O estrago na hora de aquarelar, então, nem se fala. Não tem jeito: tem que desenhar/aquarelar sempre; pois essa merda não é como andar de bicicleta. Enfim, ainda preciso retornar aos desenhos que queria demais ter conseguido fazer (falhei feio), no entanto ouso dizer que estou contente com essa nova leva. Estão perfeitos? Nem de longe; mas para uma pessoa sem talento e sem qualquer domínio da técnica feito eu, deram pro gasto. O meu, pelo menos. E curti tanto o resultado/ potencial do lápis de cor, que já fiz um upgrade no meu conjuntinho - calma; não chegamos num set da Caran d'Ache, mas um passo de cada vez, certo? Ah, incluí uma aquarela que fiz em 2020, porém mais antiga, inspirada numa das mais espetaculares e lindas cenas de dança do cinema, de um dos meus filmes favoritos do ano (In Bloom, 2013). Link para assistir/rever (*o contexto é crucial): X

Até os próximos traços (espero), ♪ to keep us safe 𝇥.

Referência: Helena Bonham Carter, filme A Room with a View 

Referência: cena linda do filme Ratcatcher (O Lixo e o Sonho; 1999), da Lynne Ramsay 

Referência: Rihanna no Met Gala 2015

Referência: Lika Babluani na incrível cena de dança do filme In Bloom (2013); da Nana Ekvtimishvili

Referência: Valérie Mairesse no filme L'une chante l'autre pas (Uma canta, a outra não - 1977), 
da Agnés Varda.

Referência: Regina King no Emmy 2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário